ARMAZENADOS EM UM TRABALHO SEM SENTIDO – RESENHA DO FILME “ALMACENADOS” (MÉXICO, 2015) – POR CÁTIA CRISTINA DE ARAÚJO QUARTEROLLI BASTOS

A versão para o cinema de Almacenados (2015), dirigido por Jack Zagha Kababie (Adiós mundo cruel e O Último Trago), gira em torno do tema trabalho e, a partir dessa pedra angular, traz ao espectador questionamentos profundos relacionados ao tema, especialmente quanto ao sentido do trabalho, às diferentes percepções a esse respeito entre gerações e à necessidade de sujeição do trabalhador a qualquer trabalho, independentemente do sentido que dá a ele.   

O filme preserva o ar teatral da peça original (de David Desola), mantendo como cenário, a maior parte do tempo, somente o depósito onde as personagens interagem (ou não). Assim como o cenário, o elenco também é intimista, sendo seus protagonistas representados por José Carlos Ruiz e Hoze Meléndez – basicamente, os únicos atores que aparecem diante das câmeras durante todo o longa-metragem.

A história tem como ponto de partida o encontro entre dois indivíduos em momentos cruciais das suas vidas na condição de “trabalhador”: o ingresso e a saída do mercado de trabalho. A partir dessa premissa e dos diálogos entre esses dois personagens em situações tão distintas e, ao mesmo tempo, tão similares, outras escassas informações vão sendo trazidas à tona, envolvendo a rotina daquele local, o valor dado por eles ao trabalho e até mesmo sobre a esfera pessoal da vida das personagens – esta última relegada a segundo plano, mas não menos importante.

O Sr. Lino (José Carlos Ruiz) é um encarregado de depósito numa fábrica de hastes e mastros, sendo que, no local em que trabalha, só se recebe o segundo tipo de produto. Restando cinco dias para sua aposentadoria, recebe o ajudante que irá substituí-lo na função, o jovem Nin (Hoze Meléndez), a quem apresenta todas as regras que lhe foram impostas em seu primeiro dia de trabalho, há 39 anos atrás e as quais, desde então, jamais ousou desrespeitar. Contudo, para sua surpresa (e alguma exasperação!), o Sr. Lino identifica muito rapidamente no assistente recém-chegado uma atitude de questionamento – por ele vista como descaso – em relação à normatividade que o cargo exigiria, sua importância e responsabilidade envolvida. Outras diferenças vão sendo apresentadas ao longo da trama, pondo em evidência que as funções e regras tão enaltecidas pelo Sr. Lino, são percebidas por Nin como atividades rotineiras e burocráticas vinculadas a um emprego mal remunerado. O curioso é que, a despeito dessas visões diversas sobre o trabalho e seu sentido, Sr. Lino e Nin têm em comum a necessidade, ainda que por razões diferentes, de lá permanecer.

As questões suscitadas por Almacenados podem ser analisadas a partir da obra do antropólogo David Graeber, intitulada Bullshit Jobs: A Theory (2018), que aponta para a existência de empregos sem sentido e analisa seus impactos sociais.  Para o autor, vivemos numa sociedade baseada no trabalho como um fim em si mesmo, sem a exigência de que seja considerado produtivo ou que traga um bem à coletividade. A definição trazida por Graeber para o que ele tratará por “empregos sem sentido” (no original, bullshit é uma forma de palavrão para identificar o trabalho sem sentido, tendo sido traduzido no espanhol para “trabajos de mierda, é “uma forma de emprego tão carente de sentido, tão desnecessária ou tão prejudicial que nem sequer o próprio trabalhador é capaz de justificar sua existência, apesar de que, como parte das condições do emprego, o dito trabalhador sente-se obrigado a fingir que não é assim”. De tal conceito, podemos ver o emprego do sr. Lino descrito, inclusive quanto à necessidade de dar a ele a importância e o sentido que não possui de fato, como vem a perceber rapidamente Nin, gerando o maior conflito do filme.

Em um processo de subjetivação do empregado, junto com o consentimento coletivo de uma civilização que julga pertinente gastar boa parte de seus dias e/ou noites em tarefas sem sentido, não causa maior estranheza encontrarmos o Sr. Lino valorizando cada uma das tarefas constantes de seu ralo leque de atribuições, com a inflexibilidade de horários e procedimentos, em busca de atribuir sentido que justifique o recebimento de um pagamento por aquele trabalho e, em grande medida, à sua própria existência. O relógio rotineiramente adiantado e as incansáveis formigas com as quais ele se identifica ajudam a atribuir algum sentido à rotina solitária desse trabalhador e fazem parte da descrição extensa do cotidiano daquele depósito, conforme o Sr. Lino destaca para Nin.

O filme também desmente a crença coletiva de que, no mundo capitalista (extensível às reformas neoliberais), empresas privadas jamais contratariam pessoas e criariam postos de trabalho que não fossem realmente necessárias à organização, com foco em produtividade e vigilância.   No entanto, as reformas neoliberais, não raras vezes, trazem mais burocracia, sendo a pressão por metas mais direcionada às camadas basilares, com a proliferação de cargos gerenciais e administrativos absolutamente sem sentido. Assim é a burocracia da rotina do Sr. Lino, autoridade máxima dentro do depósito onde trabalha, cuja rigidez autoimposta não cede nem mesmo em relação ao horário de varrer o chão de seu setor.

O trabalho desenvolvido pelo Sr. Lino, portanto, pode ser encontrado entre as principais variedades de empregos sem sentido listadas por Graeber, que sugere a seguinte classificação: a) o trabalho feito por aduladores; b) o trabalho feito por seguranças; c) o trabalho feito por empregados que resolvem problemas de defeitos de funcionamento; d) aquele feito por trabalhadores que existem apenas para que a empresa diga que está fazendo algo que, efetivamente não faz e; e) o trabalho feito por supervisores. Com essa proposta, poderia se ajustar ao item “d”, uma vez que a fábrica, embora se dizendo fabricar hastes e mastros, há pelo menos 39 anos jamais recebeu um mastro no depósito sob os seus cuidados, ficando a indagação sobre a que se presta esse espaço sem uso diante das estratégias negociais daquela empresa.

Cumpre ressaltar, no entanto, que a classificação trazida por Graeber está longe de se ater a trabalhos mal remunerados, como aquele do Sr. Lino e de Nin, como é o exemplo trazido pelo autor dos cabeleireiros, que, nos bairros de classes trabalhadoras, ocupam função de centros de reunião, troca de informações, além da questão sanitária evidente.

Nesse contexto de trabalho sem sentido, a proposta de novas ideias e questionamentos trazidos por Nin, assistente e natural substituto, não encontram abrigo sem muita resistência pelo Sr. Lino, até mesmo quando o jovem trabalhador traz uma cadeira para se sentar no segundo dia na empresa – uma vez que o Sr. Lino permaneceu 11 anos em pé, sem pensar nessa possibilidade. É que tais questionamentos, muito embora para Nin buscassem até mesmo o bem do Sr. Lino, para este último geram não só dúvidas quanto à importância do seu trabalho, mas, em última análise, em relação a sua própria relevância no mundo.

Malgrado a perspectiva minimalista do cenário do filme, é possível redimensionar o questionamento dado por ele sobre sentido do trabalho, saindo da figura dos trabalhadores ali apresentados e voltando-se para o panorama que se afigura, pelo menos, nas três últimas décadas, com a rápida ascensão da economia de serviços (em detrimento do setor agropecuário e manufatureiro), principalmente em países ricos, trazendo uma nova distribuição da força laboral. Além disso, as novas tecnologias e suas ferramentas de comunicação, as plataformas têm substituído supervisores por algoritmos. Nesse contexto, questiona-se: serão esses trabalhos mais dotados de sentido para quem os executa do que aquele desempenhado pelo Sr. Lino? Ou estamos apenas reeditando essa ausência de sentido por meio da tecnologia?

Nessa nova lógica da economia, ocorre a financeirização das empresas, que não precisam lucrar, como é o caso de empresas de plataforma digital de transporte de passageiros que, mais do que o serviço oferecido, representam um novo paradigma nas relações negociais. Para Graeber, não por acaso, as empresas dedicam-se cada vez menos a atividades econômicas como fabricar e construir em prol de processos políticos de apropriação, alocação e distribuição de dinheiro e recursos, pouco importando o ramo de atividade. Ainda segundo o autor, essa abordagem gerencial das empresas acaba servindo como uma forma encoberta de feudalismo, na medida em que riqueza e posição são distribuídos por critérios políticos, tornando indistintas as esferas econômica e política.

Portanto, para muito além da polaridade entre antigas e novas práticas, representadas pelo Sr. Lino e Nin no filme Almacenados, o sistema que está em operação por trás de sua temática transcende, em muito, as relações de trabalho que ali estão simbolizadas para, à luz da obra de Graeber, ser possível vislumbrar muitos outros agentes e elementos que propiciam a manutenção desses trabalhos sem sentido que, pela necessidade daqueles que nesses se engajam, contribuem para a manutenção desse status quo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s